O Orgulho da Rua Parnell

image (2)

O drama “O Orgulho da Rua Parnell”, de Sebastian Barry, ganha a cena com um realismo que, à primeira vista, pode espantar o público mais convencional.

Aos poucos, no entanto, essa  crueza, seja da ambientação ou das interpretações, se torna o principal trunfo para a conquista do espectador.

Dirigida por Darson Ribeiro, a peça é encenada em misto de galeria de arte e antiquário, com os pagantes acomodados em cadeiras e sofás ali expostos, diante do palco improvisado.

A protagonista passa um café nos primeiros minutos e, nessa atmosfera que parece eliminar o clima fantasioso, começam os depoimentos dos dois personagens.

Joe Brady e Janet (representados por Alexandre Tigano e Claudiane Carvalho) moram na periferia de Dublin, na Irlanda.

Malandro, ele rouba carros e descola dinheiro em pequenas falcatruas. Ela ama o marido e, apesar das dificuldades, cria feliz os três filhos.

Um acesso de fúria dele, depois de um jogo de futebol, destrói a harmonia familiar e inicia um longo e doloroso processo, entre a negação e a aceitação, referente ao sentimento que os une.

Toda estruturada em monólogos, a peça exige entrega redobrada de Tigano e Claudiane, surpreendentes na densidade dos personagens, e apresenta um raro equilíbrio, feito da direção.

Com Enrico Bezerra.

Direção: Darson Ribeiro
Duração: 80 minutos
Recomendação: 14 anos

Locais e horários: 25 de setembro
Local: SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt