‘Eu, Daniel Blake’ traz à tona a luta pelos direitos e a burocracia do Estado

Considerado pela crítica uma das obras-primas do diretor inglês Ken Loach, o longa “Eu, Daniel Blake” retrata a dura realidade de milhões de pessoas que dependem do Estado para terem seus direitos assegurados.

Depois de ser vítima de um ataque cardíaco e receber dispensa médica do trabalho, o ex-carpinteiro Daniel Blake (Dave Johns) esbarra em uma série de dificuldades burocráticas para conseguir receber os benefícios concedidos pelo governo. O fato se agrava porque ele desconhece as novas mídias digitais, sendo considerado um “analfabeto digital”.

Durante sua jornada, Daniel acaba conhecendo Katie (Hayley Squires), que tem dois filhos e se mudou recentemente para a cidade de Newcastle, na Inglaterra. Ela também passa por dificuldades financeiras e Daniel tenta ajudá-la.

O realismo do filme evidencia a questão da opressão do Estado sobre as minorias, um tema muito abordado em toda a obra de Loach e que lhe rendeu a Palma de Ouro no festival de Cannes, na França.

Serviço

 Filme: Eu, Daniel Blake

Diretor: Ken Loach

Atores: Dave Johns e Hayley Squires

Classificação: 12 anos

Em cartaz: CineSesc, Caixa Belas Artes, Espaço Itaú de Cinema e Reserva Cultural